Artigos

Mulheres do Mundo, vamos parar a guerra!

Skevi Koukouma Publicado em 09.09.2013

Skevi Koukouma é vice-presidenta da FDIM - Federação Democrática Internacional das Mulheres - organização não governamental que une em suas fileiras mulheres originárias de diversos países. Originária do Chipre, ela conclama a união de todas as mulheres contra a intervenção da aliança ocidental contra a Síria.

Os tambores da guerra batem no Mediterrâneo Oriental. A aliança EUA-OTAN-UE, em conjunto com as monarquias do Golfo, até agora, instigam o derramamento de sangue na Síria ao armar e financiar os rebeldes extremistas dissidentes. Agora, eles passam para a próxima fase de seus planos em detrimento da Síria: a intervenção militar externa que levará à divisão do país, com consequências imprevisíveis, em primeiro lugar, no Líbano e, em seguida, em toda a região. É óbvio que seu verdadeiro objetivo é atacar o Irã, a fim de se apossar dos seus recursos e riquezas. Israel, o verdadeiro terrorista na área, está à espreita.
Eles não têm nenhuma dificuldade em encontrar pretextos. Vão manipular e exagerar problemas existentes ou vão fabricar pretextos . A assim chamada "transição para a democracia" , o "programa nuclear do Irã", o "uso de substâncias químicas pelo regime de Assad" consistem a retórica habitual, que abrange os projetos imperialistas. Esforço especial não é necessário para derrubar esses pretextos. Em primeiro lugar, porque a maior ameaça nuclear na região vem de Israel, mas a EUA-OTAN-UE cala-se por se tratar de um aliado, e eles não querem quebrar o monopólio nuclear. Em segundo lugar, porque os regimes de Ben Ali na Tunísia, Mubarak no Egito e as monarquias do Golfo também foram ditatoriais e intolerantes, mas estes tiveram ou têm laços muito fortes com os EUA e outros centros ocidentais. O "uso de produtos químicos" e "armas de destruição em massa" foi a mesma desculpa empregada no caso do Iraque, em 2003, que provou ser mais uma grande mentira. Os serviços de inteligência americana-britânica, no entanto, são as últimas que podem atestar com segurança se houve uso de produtos químicos e por quem. Em qualquer caso, um ataque militar contra a Síria só irá causar mais sangue, violência e destruição para as pessoas que já sofrem. Paz e uma solução política para a crise não são as preocupações dos imperialistas. Além disso, a UE não hesitou em parar oficialmente o embargo de armas na guerra que atinge a Síria, incitando mais derramamento de sangue. Ao mesmo tempo, eles fingem não ver os terríveis crimes dos dissidentes extremistas na Síria e os riscos para o país, caso essas forças obscurantistas prevaleçam.
A verdadeira razão para o que está acontecendo em nossa vizinhança manchada de sangue é o fato de que o Mediterrâneo Oriental está no epicentro da concorrência entre os centros imperialistas do mundo. O seu principal objetivo é o de assegurar o fluxo de matérias-primas, energia e produtos da região, proteger o seu acesso a fontes de energia e as jazidas de petróleo inexploradas do Mediterrâneo Oriental e da "modernização" dos regimes burgueses na região, de modo a tornar-se uma base para as ações de grupos empresariais monopolistas. Alianças, conflitos, confrontos, colaborações, a militarização e a nuclearização da região desdobra-se neste fundo que inclui planos de gigantes para a redefinição das fronteiras. Esse plano é o de inspiração americana "Novo Oriente Médio", que prevê a recomposição total da região, a fim de promover os gigantes multinacionais da energia.
Não é preciso ser um defensor do Assad e o regime iraniano, a fim de se opor aos planos para atacar a Síria . Além disso, nós apenas nos identificamos com as forças progressistas desses países que lutam pelos direitos populares e de trabalho, a liberdade sindical política e comercial, para a democracia, a soberania popular e do socialismo. O que está em jogo hoje não é se somos a favor ou contra o regime de Assad.
Hoje, o que está em jogo é se vamos aceitar o derramamento de sangue e a dissolução da Síria ou se vamos defender a paz, a soberania e a integridade territorial de um Estado independente e o direito das pessoas decidirem sobre o seu futuro. A causa da democracia e da liberdade na Síria é uma questão de seu próprio povo e não dos imperialistas. As pessoas que esperam que os EUA, a UE ou qualquer outro imperialista no Oriente ou no Ocidente, tragam a democracia e a paz, serão amarga e irreparavelmente desapontadas. Hoje, o povo da Síria, amanhã o povo do Irã e o povo da região vão pagar com o sangue de seus filhos os conflitos energéticos dos poderosos do mundo. Sabemos de fato, que as mulheres e crianças, sem estar no campo de batalha, serão novamente a grande maioria dos mortos, os feridos e os refugiados.
A Federação Democrática Internacional das Mulheres foi fundada em 1945 por movimentos de mulheres progressistas do mundo e fez um "voto sagrado de lutar incansavelmente para garantir a paz mundial permanente". Nesta hora, a principal tarefa da FDIM e todos os movimentos de mulheres progressistas do planeta é contribuir para que toda a humanidade levante um escudo anti-guerra para proteger o povo sírio. Nossa dívida é mobilizar as mulheres e pessoas de nossos países em manifestações fora das embaixadas dos EUA, da UE , da Grã-Bretanha, da França, da Turquia, etc, que lideram o ataque contra a Síria. Exigir que os governos de nossos países condenem o crime, defendam a soberania e a integridade territorial da Síria, e não cooperam de alguma forma no ataque, facilitando os invasores.
Vamos prometer que as mães da Síria que assistem há meses seu país afogando em sangue e agora abraçar seus filhos:
VAMOS TODAS ADERIR À LUTA PARA INTERROMPER O ATAQUE CONTRA A SÍRIA.
Skevi Koukouma é vice-presidenta da Federação Democrática Internacional das Mulheres, Secretária- Geral do Movimento das Mulheres POGO, membro do Comitê Central do AKEL, membro da Câmara dos Representantes do Chipre.