Artigos

PCdoB no 19º Encontro do Foro de São Paulo

Ricardo Alemão Abreu Publicado em 12.08.2013

Os comunistas brasileiros tiveram uma grande participação no 19º Encontro do Foro de São Paulo. Nas atividades do encontro, de 31 de julho a 4 de agosto, dentre os 1.333 inscritos, os delegados e delegadas do Brasil foram aproximadamente 1.000, dos quais 421 são do PCdoB, similar à participação do PT. Houve ainda a participação de cerca de 300 delegados e convidados de outros 38 países. Entre os participantes internacionais estavam convidados de todos os continentes.

O secretário de Relações Internacionais do PCdoB, Ricardo Alemão Abreu, participou da mesa inaugural de debates do 19º Encontro do Foro de São Paulo, em 31 de julho.

O PCdoB foi co-organizador do evento junto com o PT, na qualidade de membro do Grupo de Trabalho do Foro, do qual faz parte desde 2008. Dentre os brasileiros havia também dezenas de delegados do PSB, do PDT e do PPL. Já o PCB teve uma pequena participação.

Na delegação do PCdoB, a maioria era formada pelos quadros e militantes de São Paulo, que atenderam ao chamado do Comitê Central, do Comitê Estadual de São Paulo e dos comitês municipais, em especial do Comitê Municipal paulistano. Merecem destaque também a União da Juventude Socialista (UJS) e as frentes de movimentos sociais do nos quais atua o PCdoB, como a sindical, a estudantil, a de mulheres, e a frente de luta contra o racismo.

Deixo aqui um reconhecimento a todos e todas que, participando da semana toda ou participando em um dia, contribuíram para essa vitoriosa e inédita (pela quantidade e qualidade) presença do PCdoB nesse 19º Encontro. Ao mesmo tempo em que fortaleceu o Foro de São Paulo, a presença desses quadros e militantes comunistas também possibilitou a eles um grande aprendizado, e uma elevação de sua consciência internacionalista.

Além de vários dirigentes nacionais do PCdoB, é preciso destacar a presença, em vários momentos do encontro, especialmente no Ato Político e na Plenária Final, do presidente nacional do PCdoB, camarada Renato Rabelo, com intervenções qualificadas e combativas, que expressaram as opiniões do PCdoB para as delegações internacionais e para os participantes brasileiros.

Junto às delegações internacionais, constatou-se o crescente respeito e prestígio do PCdoB, que nos foram registrados de forma solidária e espontânea pelos representantes de partidos latino-americanos e caribenhos, e de outros continentes. Muitos dos partidos presentes no Encontro já confirmaram a presença no 13º Congresso do PCdoB, em novembro deste ano.

Foro vive uma fase de muita unidade

Durante a atividade da Escola de Formação do Foro de São Paulo, de 29 a 31 de julho, e durante as dezenas de atividades que ocorreram na região central de São Paulo até o dia 4 de agosto, uma mensagem ficou clara para os participantes desse 19º Encontro: os partidos de esquerda da América Latina e Caribe estão unidos na luta para fazer avançar as mudanças e para acelerar o processo de integração continental.

Estamos vivendo a fase de maior unidade do Foro, e talvez a melhor fase de sua existência. Fundado em São Paulo, em julho de 1990, o Foro que leva o nome da capital paulista completou 23 anos realizando, pela terceira vez, o seu encontro anual na cidade na qual foi criado, e pela quarta vez no Brasil. Em 1990 e 1997, os encontros do Foro tratavam da resistência aos governos neoliberais, como o de Collor e FHC no Brasil, e em 2005, apesar de já termos naquela ocasião vários governos de esquerda e progressistas, a esquerda estava mais dividida, e o Foro vivia alguns impasses.

Desde 1998, quando a vitória de Chávez na Venezuela inaugura um período de ascensão das forças populares na América Latina e Caribe, este é o momento em que a esquerda demonstra amadurecimento, e compreende melhor o valor da unidade e da coordenação para enfrentar a atual contraofensiva do imperialismo e da direita em cada país da região.

As resoluções do Encontro são avançadas e merecem ser estudadas e aplicadas

Uma semana inteira de cursos, reuniões bilaterais e multilaterais, encontros setoriais, oficinas, seminários, atividades culturais, atos políticos e debates em plenária não foi em vão. As resoluções aprovadas na plenária final do domingo, 4 de agosto, expressam o elevado nível de elaboração e de unidade a que chegou o Foro de São Paulo.

O Documento Base, que serviu como ponto de partida para os debates, a Declaração Final, o Plano de Ação e as várias resoluções específicas são de uma riqueza enorme, e precisam ser estudadas pela militância dos partidos membros do Foro de São Paulo, para serem compreendidas, e sobretudo para serem aplicadas.

A Declaração Final do Encontro tem como título “Aprofundar as mudanças e acelerar a integração regional”. Ao abordar a situação brasileira, também tema de outra resolução específica, diz a Declaração: “Nos solidarizamos com a posição da presidenta Dilma Rousseff e das forças de esquerda e progressistas brasileiras de reconhecer a importância das voz das ruas, para avançar pelo caminho das mudanças e evitar um retrocesso nas conquistas já alcançadas”.

O Plano de Ação é arrojado e, por si só, denota uma característica muito positiva desses últimos anos, durante os quais a Secretaria Executiva do Foro de São Paulo vem sendo conduzida pelo companheiro Valter Pomar, dirigente nacional do PT. Essa característica é um internacionalismo militante, que valoriza o debate político e teórico, e ao mesmo tempo impulsiona a unidade de ação na prática, a coordenação internacional da luta cotidiana.

O Plano de Ação ressalta, por exemplo, a importância do apoio solidário às forças de esquerda que disputam as eleições em 2013-2014 em seus países, e o apoio ao processo de paz na Colômbia.

Próximo Encontro do Foro será na Bolívia

Engrandecido pela presença de eminentes dirigentes partidários, parlamentares, intelectuais e líderes de movimentos sociais, o 19º Encontro contou com a participação de dois dos maiores líderes da esquerda regional e mundial: Lula e Evo Morales. O ex-presidente do Brasil discursou no Ato Político e o presidente boliviano fez uma conferência no ato de encerramento do Encontro.

No fim de seu discurso, Evo Morales convocou a todos para construírem juntos e estarem presentes no 20º Encontro do Foro de São Paulo, a ser realizado na Bolívia em 2014. Até lá, como expressam as resoluções do 19º Encontro, temos muita luta para fazer, e muito a conquistar e avançar, no Brasil e em nosso continente.

*Ricardo Alemão Abreu é secretário de Relações Internacionais do PCdoB