São Paulo, 23 de abril de 2014
Fundação Maurício grabois

Artigos
Você está aqui: Home > Centro de Documentação e Memória > Artigos > O segundo governo vargas e suas contradições (segunda parte)
Publicado em 10.03.2010
O segundo governo vargas e suas contradições (segunda parte)
Por Augusto C. Buonicore


Artigo publicado no Portal Vermelho em 12 de janeiro de 2005

O pêndulo para a esquerda

A luta operária e a radicalização do governo

Em março de 1953 eclodiu uma das maiores greves operárias da história brasileira. Durou cerca de um mês e envolveu 300 mil trabalhadores paulistas. O Partido Comunista teve um papel destacado neste movimento que teve um forte impacto sobre a vida política nacional. Centenas de trabalhadores foram presos e espancados pela polícia. Poucas semanas depois entraram em greve nacional mais de 100 mil marítimos. Estas greves criaram as condições para que se constituísse um embrião de central sindical, o Pacto de Unidade Intersindical (PUI), sob hegemonia comunista.

Em meio ao movimento grevista realizou-se uma reunião do Comitê Nacional do PCB. O informe de Prestes manteve a visão negativa em relação ao governo de Vargas que continuou sendo definido como “um governo de traição nacional, um governo de guerra, de fome e de reação (...) que procura levar o país ao fascismo” e concluía conclamando para a necessidade de “desencadear contra o atual governo a luta firme e sistemática que o desmascare e o isole das massas”. Era este o sentido das greves dirigidas pelos comunistas.

Em 15 de junho de 1953, visando recobrar o terreno perdido no movimento sindical, Vargas indicou João Goulart para o Ministério do Trabalho. A reforma ministerial, no entanto, foi mais abrangente e alterou seis dos sete ministros civis. Vargas trouxe para o ministério os seus velhos companheiros do movimento de 1930, como Osvaldo Aranha, José Américo de Almeida e Vicente Rao, além de Tancredo Neves. A reforma derrubou o americanófilo João Neves da Fontoura do Ministério das Relações Exteriores e o neoliberal Horácio Lafer do Ministério da Fazenda. Neste mesmo processo houve o fortalecimento da Assessoria Econômica da Presidência da República, comandada por Rômulo de Almeida. Estava aberto o caminho para a radicalização da política nacionalista.

Em outubro de 1953 Vargas sancionou a lei que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. Em 20 de dezembro Vargas denunciou os excessos na remessa de lucro das empresas estrangeiras instaladas no Brasil e em janeiro de 1954 assinou decreto que estabeleceu um limite de 10% para remessas de lucros e dividendos para o exterior. Neste período foi criada a Eletrobrás e aprovado um ousado plano de eletrificação.

A resposta conservadora não esperou. Em pleno processo de reestruturação ministerial a oposição udenista denunciou um financiamento feito pelo Banco do Brasil ao jornal Última Hora, único órgão de imprensa favorável ao governo.

Diante do crescimento do movimento grevista, no início de fevereiro de 1954, Goulart apresentou a proposta de reajuste de 100% no salário mínimo. Um valor 54% acima da inflação acumulada desde o último reajuste. Levantou-se uma onda de protesto da burguesia e dos setores conservadores da sociedade. A UDN lançou um manifesto denunciando Goulart como subversivo. No dia 8 de fevereiro oficiais das forças armadas lançaram o documento conhecido como “Memorial dos Coronéis”. Surgiram acusações de que Vargas e Jango queriam instaurar uma República Sindicalista no Brasil.

Diante da pressão conservadora o governo ensaiou um recuo e destituiu Goulart. No entanto a destituição não aplacou a oposição de direita, apoiada pelo imperialismo norte-americano. Em abril de 1954 João Neves da Fontoura, ex-ministro de Vargas, denunciou uma suposta articulação de um pacto entre os governos brasileiro, chileno e argentino para se opor aos interesses dos Estados Unidos na região, seria o Pacto ABC. Em 16 de junho UDN solicitou impedimento de Vargas, que foi derrotado por uma ampla margem de votos.

Vargas decidiu manter a radicalização do regime, visando aproximá-lo das classes populares. No primeiro de maio de 1954, num ato inesperado, fez um discurso no qual afirmou: “Hoje vocês estão com o governo. Amanhã vocês serão o governo” e apresentou o decreto de reajuste de 100% do salário mínimo, índice que havia sido o motivo para destituição de Goulart poucos meses antes.

O governo fazia uma inflexão significativa na sua estratégia e apontava para uma aliança preferencial com as classes populares. Era o fim da política de conciliação. Se o PCB não compreendeu este movimento ocorrido em meados de 1953, após a reforma ministerial, a burguesia brasileira sim. Constituiu-se assim uma frente-única conservadora contra Vargas, que acabou acarretando a sua destituição.

No seu projeto de programa publicado em dezembro de 1953, quando Vargas já havia avançado na sua guinada à esquerda, o PCB erroneamente ainda afirmava: “O governo Vargas tudo faz para facilitar a penetração do capital americano em nossa terra, a crescente dominação dos imperialistas norte-americanos e a completa colonização do Brasil pelos Estados Unidos (...) A política externa do governo Vargas é ostensivamente ditada pelo Departamento de Estado norte-americano, sendo a delegação brasileira na ONU mundialmente conhecida por sua atuação subserviente ao governo dos Estados Unidos”.

Segundo os comunistas brasileiros o governo de Vargas continuava sendo “um governo de preparação de guerra e de traição nacional, um governo inimigo do povo”. Continuava sendo “um instrumento útil e necessário aos imperialistas americanos e que facilitava a completa colonização do Brasil pelos Estados Unidos”. E concluía: “O povo brasileiro levantar-se-á contra o atual estado de coisas, não admitirá que o governo de Vargas reduza o Brasil a colônia dos Estados Unidos. O atual regime de exploração e opressão a serviço dos imperialistas americanos deve ser destruído e substituído por um novo regime, o regime democrático e popular”. Isto era escrito quando o imperialismo já estava em franca ofensiva visando derrubar o governo Vargas e substituí-lo por um governo títere.

O golpe contra Vargas

A tentativa de assassinato do jornalista oposicionista Carlos Lacerda e a morte de um major da aeronáutica, ocorridas em 5 de agosto de 1954, seriam os pretextos encontrados para que um golpe fosse dado contra Getúlio. Apesar do envolvimento do chefe da guarda pessoal do presidente as investigações feitas pelos próprios inimigos do governo não comprovaram qualquer envolvimento direto de Vargas no atentado.

No dia nove de agosto o jornal Correio da Manhã pediu que Vargas renunciasse. “A renúncia do Presidente da República, afirmou o jornal, não significa um derrota, nem uma humilhação. Deixará o governo sem ser deposto ou vencido (...) Um regime não é um homem, e está nas mãos do Senhor Getúlio Vargas o gesto patriótico de um sacrifício pessoal para que se mantenha de pé o regime e íntegra a constituição, juntamente com a ordem pública e a tranqüilidade dos espíritos”. A mesma conclamação era feita pelo conjunto da grande imprensa brasileira – a exceção do jornal Última Hora. A oficialidade das Forças Armadas, dirigida pelos setores entreguistas, já se movimentava para derrubar o governo constitucional.

Em 24 de agosto, diante do golpe militar em curso, o presidente se suicidou. As condições de sua morte e, especialmente, o forte teor nacionalista de sua carta-testamento levou a uma verdadeira rebelião popular nas grandes cidades brasileiras. As redações dos jornais e sedes dos partidos oposicionistas foram atacadas pela multidão enfurecida. O povo também tentou atacar a embaixada norte-americana, encarada como principal articuladora do golpe de Estado. O líder civil da campanha contra Getúlio, e pivô da crise que levou ao golpe e ao suicídio, Carlos Lacerda, foi obrigado a se esconder e depois deixou o país.

Até o dia do golpe os comunistas se aferraram na sua postura de oposição sistemática ao governo. Em 6 de março, pelas páginas do jornal Voz Operária, Diógenes Arruda reafirmou a opinião de que Vargas era “um instrumento servil dos imperialistas norte-americanos”. No dia 12 de agosto o jornal comunista paulista Notícias de Hoje afirmou que o conflito político de Vargas com a oposição entreguista, encabeçada pela UDN, era “uma luta entre dois bandos perfeitamente idênticos” pois os dois grupos defenderiam “uma política de submissão completa aos monopólios norte-americanos e ao governo de Washington”.

No mesmo dia do golpe e suicídio de Vargas o jornal comunista Imprensa Popular publicou uma longa entrevista com Luís Carlos Prestes no qual ele afirmava: “O sr. Vargas já confessou repetidamente que não se sente bem nas suas roupagens de presidente constitucional, mas falta-lhe ainda a força indispensável para realizar o golpe de Estado, liquidar os últimos vestígios constitucionais implantar a ditadura terrorista que almeja. Neste sentido, a ameaça maior vem da UDN, que cinicamente ainda pretende passar por oposicionista e que tem a frente um grupelho de generais fascistas (...) procuram apresentar-se como salvadores da pátria e pensam ainda poder enganar o povo, criar um ‘novo governo’ (...) que lhe permita, melhor que Vargas, realizar a política de traição nacional, de fome e reação impostas pelos trustes norte-americanos e pelo governo dos Estados Unidos”. Prestes concluiu que era necessário “defender a constituição e impedir qualquer golpe de Estado e militar, venha de onde vier”. Em meio do golpe das forças entreguistas, ligadas a UDN, Prestes ainda tinha dúvida de onde ele viria.

Os comunistas brasileiros, mesmo diante da ofensiva reacionária pró-americana contra Vargas, não conseguiram ver diferenças entre os programas político e econômico dos dois grupos conflitantes. Vargas continuava sendo, no plano interno, o principal inimigo. Por esta posição anti-Vargas os comunistas também acabaram sendo alvos da fúria popular. No Rio Grande do Sul o jornal comunista Tribuna Gaúcha teve sua sede depredada.

Dando uma guinada abrupta na sua tática os comunistas tentaram se aproximar das massas e dos políticos getulistas. Um documento publicado logo após a morte de Vargas afirmava: “O momento exige que trabalhistas e comunistas se dêem fraternalmente as mãos e que juntos lutem em defesa das leis sociais conquistadas” e apelava para que os “operários e operárias, camaradas trabalhistas” reforçassem “as fileiras do Partido Comunista”. O Partido não faria nenhuma autocrítica das posições equivocadas assumidas diante do governo Vargas, especialmente nos seus últimos meses, quando ele era alvo de uma sórdida campanha de desestabilização.

No entanto, sob o impacto da morte de Vargas e redução das tensões internacionais, a tática comunista se tornou mais flexível e menos sectária. O Partido passou a propor uma política de alianças que envolvessem outros partidos como o PTB e o PSB e mesmo de setores progressistas de outros partidos.

 

Infelizmente as lições daquele trágico 24 agosto de 1954 não foram suficientes para impedir que os mesmos erros fossem comedidos às vésperas do fatídico 31 de março de 1964.

_____________________________________

Bibliografia

BANDEIRA, Moniz. (1973) Presença dos Estados Unidos no Brasil, Civilização Brasileira, RJ.

BENEVIDES, Maria Vitória M. (1989) O PTB e o Trabalhismo (Partidos e Sindicatos em São Paulo: 1945-1964), Brasiliense, SP.

BOITO JR, Armando (1982) O Golpe de 1954: A burguesia contra o populismo, Brasiliense, SP.

BUONICORE, Augusto C. "Sindicalismo vermelho: a política sindical do PCB entre 1948 e 1952". In: Cadernos AEL, IFCH-Unicamp, 2000.

CARONE, Edgard. (1982) O PCB (1943 a 1964), Difel, SP.

D'ARAÚJO, Maria Celina S. (1992) O Segundo Governo Vargas (1951-1954), Ática, SP.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. (1989) PTB - Do Getulismo ao Reformismo, Marco Zero, SP.

IANNI, Octávio. (1986) Estado e Planejamento Econômico no Brasil, Civilização Brasileira, RJ.

GOMES, Angela de Castro (org.) (1994), Vargas e a Crise dos Anos 50, Relume Dumará, RJ.

MOISÉS, José Alvaro (1978) Greve de Massa e Crise Política (estudo da greve dos 300 mil em São Paulo). Pólis, SP.

MOURA, Gerson (1986) A Campanha do Petróleo, Brasiliense, SP.

SEGATTO, José Antonio (1989), Breve História do PCB, Oficina de Livros, MG.

SILVA, Hélio. (1978) 1954: Um Tiro no Coração, Civilização Brasileira, RJ.

SKIDMORE, Thomas. (1982) Brasil: De Getúlio a Castelo. Paz e Terra, SP.

SODRÉ, Nelson W. (1988) Memórias de um Soldado: Do Estado Novo à Ditadura Militar, Vozes, Petrópolis.

________________. (1997) Capitalismo e Revolução Burguesa no Brasil, Graphia, RJ.

VARGAS, Getúlio. (1951) Campanha Presidencial, José Olympio, RJ.

______________. (1975) "Discurso no Estádio do Vasco (1/5/51)". In: Ensaios de Opinião, 2-1, Inúbia, RJ.

Augusto C. Buonicore é Historiador, membro do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil, Secretário Geral da Fundação Maurício Grabois e responsável pelo Centro de Documentação e Memória (CDM)

0 Pessoas comentaram. Comente também.


    Escreva seu comentário


    Trocar imagem

    Enviar para um amigo

    Fundação Maurício Grabois: Rua Rego Freitas, 192 - Sobreloja - Centro - São Paulo - SP
    CEP 01220-010 - Tel.: (11) 3337.1578