Prosa@Poesia

A curva dos teus olhos

Paul Éluard Publicado em 29.04.2011

A curva dos teus olhos dá a volta ao meu peito
É uma dança de roda e de doçura.
Berço noturno e auréola do tempo,
Se já não sei tudo o que vivi
É que os teus olhos não me viram sempre.

Folhas do dia e musgos do orvalho,
Hastes de brisas, sorrisos de perfume,
Asas de luz cobrindo o mundo inteiro,
Barcos de céu e barcos do mar,
Caçadores dos sons e nascentes das cores.

Perfume esparso de um manancial de auroras
Abandonado sobre a palha dos astros,
Como o dia depende da inocência.
O mundo inteiro depende dos teus olhos
E todo o meu sangue corre no teu olhar.

Algumas Palavras, tradução de António Ramos Rosa – Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1977, pág. 25.