Prosa@Poesia

A casa dos mortos

Cida Pedrosa Publicado em 02.05.2007

*

Deito
nesta casa de fantasmas
e espero a hora

uma mulher sorri
-por baixo dos óculos-
e oferece pão-de-ló

um outro morto
canta
ao canto da sala
cantigas antigas

ao longe um choro
e cheiro de maresia

é o amante marinheiro
que morreu no mar
e fraturou a alma da amada
que até hoje o espera
enquanto tece uma manta
com seus fios de cabelo

na varanda uma cadeira
range  ossos

sentada uma   mulher
( marrafa no cabelo
                 terço nas mãos )
embala a morte
e faz dormir a vida.