Sociedade dos Amigos de Lênin (SAL) - Atualidade do pensamento de Lênin

Lênin: anotações sobre a gênese da inteligência Revolucionária de nossa época

Sérgio Barroso Publicado em 04.02.2015

Teórico marxista genial, V. I. Lênin levou ao extremo a concentração de esforços intelectuais e políticos para dar conseqüências práticas à transformação socialista revolucionária. Com formidável energia, decisivamente – em várias formulações e idéias –, Lênin (que ora registramos 80 anos de desaparecimento) alterou a marcha dos acontecimentos históricos

Entre os séculos XV a XIX a dilaceração feudal européia abriu suas entranhas à sociedade burguesa e à passagem ao antigo sistema colonial. Entrecortadas por espadas, canhões e revoluções, as raízes materiais do desenvolvimento fazem florescer as idéias inovadoras do italiano (e florentino) Nicolau Maquiavel (1469-1527), do francês Jean Bodin (1530-1596), do inglês Thomas Hobbes (1588-1679). Um ideário político fecundo tece a arquitetura do Estado moderno e, sobretudo em Hobbes, formulações terrivelmente prospectivas [1]. Estado elevado à categoria de demiurgo na filosofia de G. Hegel (1770-1831), o desbravador e fundador da dialética moderna.

Noutros nexos, na explosão da I Revolução Industrial (1760-1830), especialmente os fisiocratas Quesnay e Turgot fazem a crítica do mercantilismo vis-à-vis a agricultura. Ícones da Escola Clássica, A. Smith (“A riqueza das nações”, 1776) e D. Ricardo (1772-1823), superaram os fisiocratas teorizando sobre o valor, localizando-o no trabalho e como fonte da riqueza. Sabe-se que Marx travou com eles o “último combate”, através de sua crítica epistemológica radical, revelando as leis dos processos capitalistas de produção, circulação e distribuição da riqueza.

O mesmo Marx, inigualável gênio anatomista do capital, que quase duzentos anos após Hobbes (1859), dissera que os homens não se colocam problemas que eles não possam solucioná-los. Em particular porque as teorias dos grandes utopistas e hereges levitavam sobre a concretude classista da grande indústria moderna e suas leis impiedosas; e camuflava nela a definitiva subsunção do trabalho ao capital.

Ouvia-se, singrando os mares, desde 1848, os ecos da revolução proletária. E se para Hobsbawn (1998), O Manifesto do Partido Comunista, quase profético, foi ato contínuo seguido de uma gigantesca rebelião das massas trabalhadoras no velho mundo, tinha sido Engels quem testemunhara o vaticínio de Marx sobre a “conexão” russa da vaga revolucionária no final daquele século.

Lênin e sua época

“O mundo esperava este homem... ”
(Máximo Gorki)

Não há então qualquer devaneio nas palavras de Gorki, transcritas na epígrafe acima: necessidade e casualidade. Ou a presença luminosa de Lênin no irromper dos condicionantes para a revolução socialista e sua época. A propósito, como ensinara magnificamente Engels, não há casualidades à margem dos conteúdos concretos da necessidade histórica:

“Que Napoleão, precisamente esse corso, fosse o ditador militar de que a república francesa, esgotada pela sua própria guerra, precisava – isso foi acaso; que, porém, na falta de um Napoleão, um outro teria preenchido o lugar, isso é demonstrado pelo fato de que cada vez sempre se encontrou o homem logo que ele foi preciso: César, Augusto, Cromwell, etc.” [2]

A vida de Lênin transcorre entre 1870 e 1924, devendo-se vasculhar mais amiúde os elementos sócio-históricos de sua existência.
Paradoxal, vivia-se uma atmosfera de ruptura e transição imbricada nos albores do novo milênio. Ventos de grandes transformações nas idéias, nas artes em explosão na Europa; invenções, ciência, tecnologia, filosofia, psicologia, urbanização acelerada e difundida pelas industrializações, o automóvel, o telefone, o telégrafo sem fio etc. Impulsos que se espraiavam das exigências do capitalismo monopolista (Barroso, 2003). Pela primeira vez, “máquinas voadoras”, disse Hobsbawn (2003) noutro lugar. Grandes mudanças, abruptos deslocamentos, um atrás do outro.

Tendo escrito em 30 anos cerca de 10 milhões de palavras (Bandeira, 1978, p. 11), Lênin vem ao mundo num período igualmente tempestuoso: a I Grande Depressão ocorre entre 1873-96, que horizontaliza impulsos para a industrialização da Rússia [3], destrava e concentra o capital monopolista e destina ao imperialismo o patrocínio da trágica chacina mundial moderna, a I Grande Guerra (1914-18). Coube a Lênin, no interregno do conflito bélico mundial, assumir o comandando político da primeira revolução proletária vitoriosa.

Diz-se pouco do avô de Lênin, Nicolás Ulianov: fora “obscuro empregado de oficina”; ou que foi servo, depois camponês do Estado e alfaiate. Ilya Ulianov, pai de Lênin e último de três filhos, demonstrando desde o Liceu fascinação por física e matemática, foi indicado à Faculdade de Ciências da Universidade de Kazán, tornando-se aluno do célebre professor Lobatchevsky, um dos criadores da geometria não-euclidiana; quem o indica para a direção da estação meteorológica da cidade de Penza Una, após lá ter lecionado matemática em colégio de filhas da nobreza russa. Ilya é nomeado ao Liceu de Nijni-Novgorod, cidade rica e de intensa atividade comercial, local onde casa com Maria Blank, filha de um médico ucraniano de carreira militar. Por fim, aceita ser inspetor de escola primárias em Simbirsky, cidade da região do grande rio Volga, então com cerca de 300 mil habitantes, a 1.500 km. da capital, Petrogrado, e a 900 km. de Moscou. Lá nasce o Ulianov que veio por denominar a si de Lênin.

É bastante difundido em seus registros biográficos que “Volodia” fora criança muito inteligente e estudiosa, despertando atenção ainda sua admiração pela natureza. Na adolescência, envolve-se com os grandes nomes da literatura russa – “proibida” – tendo lhe causado profunda influência o romance “Que Fazer?”, de Tchernychevski. Aliás, sem dúvida, esta paixão pelo pensamento russo e seu país integra um elemento distintivo do vasto aparato teórico utilizado nas reflexões de Lênin [4].

Aos 15 anos de idade lê o tomo I de O Capital (LEFEBVRE, 1969, P. 64) – melhor dizer tomou conhecimento deste (Walter, 74 - Capítulo I) –, por intermédio de Alexandre, seu irmão mais velho ligado aos “populistas” e enforcado em 1887, por organizar atentado contra o czar Alexandre III. Completando dezessete anos, mete-se nos círculos estudantis, é preso por dois dias e expulso da Universidade de Kazán, por agitação contra o governo [5]. Transladando-se a família para Samara, Lênin ali já expõe “A Miséria da Filosofia”, de Marx, a um grupo influenciado pelos populistas, em 1889.

A seguir, Lênin empenha-se a fundo para o exame de Direito, em Petesburgo, desta feita autorizado pelo governo (1890), e, intercalando os estudos com leituras de Marx e Engels, é o primeiro dos 134 candidatos. Novamente em Samara, advoga para camponeses e pobres a partir de 1892; em 1893, em Petesburgo, encontra círculos marxistas com a participação de operários, organismos porém desconectados entre si. Em 1894, Nadeja Krupskaya, sua futura companheira, o conhece numa reunião na casa do engenheiro Klassom, logo depois de ter lido um caderno (“Sobre os mercados”) do marxista petesburguense H. Krassin, cujo texto fora anotado criticamente por Lênin. Segundo recordou Krupskaia de seu primeiro contato (1984, p. 7),
“Nosso novo amigo marxista tratava esta questão dos mercados de maneira muito concreta. (...) e no enfoque geral compreendemos justamente que o marxismo vivo toma os fenômenos em seu meio concreto e em seu desenvolvimento”.

Todavia, esmiuçando a démarche descrita, é pouco conhecido que os fundamentos históricos das construções teóricas de Lênin contra os “populistas” russos, os defensores do “marxismo legal”, os “economicistas”, e depois os “mencheviques”, remontam aos elevados paradigmas literários e filosóficos das décadas antecedentes, nomeadamente no riquíssimo debate acerca da identidade nacional russa e suas perspectivas. Noutras palavras, o marco originário da construção da teoria marxista em Lênin passou, necessariamente, pela profunda análise das particularidades nacionais russas. Grandes questões enfrentadas por ele de maneira excepcionalmente criativa.

Resumindo, em torno de 1850, na velha Rússia efervesciam idéias em duas direções e suas variantes. Num rumo, os que se alinhavam na defesa das tradições históricas do passado e do caráter nacional do povo russo, os “eslavófilos”; noutro, aqueles que teorizavam mimetizando o padrão de desenvolvimento capitalista ocidental e por isto chamados de “ocidentalistas”. [6]

O debate se conecta na teoria e na ação política dos populistas russos – cujas teses predominavam amplamente na esquerda naqueles anos –, fundado na idéia central de que as conseqüências sociais da desagregação do campesinato russo, pós-1861, impossibilitava a passagem ao capitalismo: passar-se-ia direto a um tipo “agrário” de socialismo, com raízes na comunidade camponesa (mir). E junto à negação do caráter progressista do capitalismo, correntes apelavam ao “terrorismo individual”. O Naródnaia Volia (Vontade do Povo) de 1879, e divisão do Zemliá y volia (Terra e liberdade) foi o principal grupo terrorista dos populistas russos.

As idéias de Lênin surgem então fulgurantes. Já em “Os novos processos econômicos na vida camponesa” [7], de 1893, desvela-se o domínio das categorias marxistas, o método dialético e a inovação interpretativa. Note-se a síntese lapidar:
“A explicação do modo pelo qual o capitalismo se desenvolve em geral não nos permite dar um só passo à frente na questão da ‘possibilidade’ (e necessidade) do desenvolvimento do capitalismo na Rússia”. (LÊNIN, apud GRUPPI, p. 3; grifos de Lênin)

É aqui que se encontra, em nossa opinião, uma originalidade teórica, constitutiva de um princípio à posterior elaboração da ciência marxista: a apreensão das singularidades históricas no desenvolvimento dos países; a recusa do antidialético transplante de modelos para a análise da cada realidade; e, efetivamente, onde se enuncia a descoberta genial de Lênin, a lei do desenvolvimento desigual do capitalismo. Lei que é formulada, e complexamente determinada, quando Lênin publica (1899) seu livro, escrito no exílio siberiano, “O desenvolvimento do capitalismo na Rússia”. [8]

Nessa obra-prima são identificadas com rigor as assimetrias das estruturas econômicas e sociais não só no interior da Rússia, que são vistas constituindo “o caráter desigual do desenvolvimento econômico, a rápida transformação dos métodos de produção, a enorme concentração da produção...”; assim como, relativamente a outros países, afirmara Lênin: “Quanto ao problema da lentidão ou rapidez do desenvolvimento do capitalismo na Rússia, tudo depende daquilo com que se compare esse desenvolvimento. (...) se a comparação é feita entre este ritmo... e aquele que seria possível sob o nível atual da técnica e da cultura... [o] do capitalismo na Rússia é realmente lento”. (Lênin, 1985, p. 375) [9]
Vê-se então uma teoria sob o axioma de que a verdade é sempre concreta. Vale dizer: a marca do pensamento de Lênin, desde cedo, encontra-se no não se limitar a expor as teses de Marx, ou ainda em apenas lê-las, mas em compreendê-las e desenvolvê-las.

Por isso, analisando a importância de O Desenvolvimento, compara M. Simon este estudo com a sempre exuberante produção intelectual francesa, sobre o tema: “Não encontramos nada de semelhante, em França, nesta época” (Simon, 1974, p. 14). Em particular porque em O Desenvolvimento, o método dialético materialista se recria face à análise empírica, a partir da efetiva comprovação da “irredutível particularidade que constitui cada formação econômico-social”. (NETO, 1985, p. xxi) Ou ainda, já existe no livro de Lênin, “o completo domínio crítico” das teorias econômicas de Marx e do materialismo histórico: a “marcha criadora da investigação”. (FERNANDES, F., 1978, p. 15).

Batalha de gigantes: Lênin supera o “pai do marxismo russo”

Examinando-se o interregno 1893-1899, que como vimos são anos de sistemática elaboração e formulação categorial por Lênin, é notável o fato de nele não ter havido a influência da “ideologia do populismo”, como ele precisamente interpretaria as incompreensões sobre as raízes sociais da problemática. Tão poderosa era a penetração na intelligentsia russa dessa ideologia, que as circunstâncias históricas não pouparam a G. Plekhanov, eminente teórico e pensador russo, consensualmente o pioneiro na introdução do marxismo no país. Plekhanov era intelectual respeitadíssimo, um ideólogo. [10]

Vimos também que o primeiro e rápido encontro entre Lênin e Plekhanov ocorrera em 1895. O segundo, de nenhum modo cordial como o primeiro, marcará outro momento chave no desenvolvimento da teoria leninista. Acontece em 1900, quando Lênin lhe apresenta a proposta inicial do “Iskra” (“A centelha”) [11], o jornal que cumpriu o conhecido papel de aglutinar os círculos social-democratas avançados, em torno do partido, e de instrumento unificador da orientação e luta político-ideológica. [12] Ali, afloram as divergências profundas que, em verdade, revelava a grandeza de Lênin diante de Plekhanov, e certamente uma batalha pela hegemonia da direção da revolução na Rússia.

Mas, antes de analisar uma seqüência de episódios que leva ao antagonismo entre Lênin e Plekhnanov, ampliemos, em retrospectiva, o raio de ausculta da luta teórica e ideológica. E vejamos como a questão do partido em Lênin aparece como necessidade incontornável.

1. Por volta de 1896 o capitalismo central desfaz-se da depressão retomando o crescimento econômico. Pari passu ao enorme avanço da influência dos partidos social-democratas europeus – notadamente do importante partido alemão e sua prioridade à participação eleitoral-institucional – fala-se numa “crise no marxismo” (HOBSBAWN, 1982, p. 79). Em outras palavras, o “revisionismo” do líder do POSDA, E. Bernstein, se espalhava, inclusive afetando os “economicistas” russos. Não à toa nos referimos às leituras de Lênin no exílio, de Bernstein: o revolucionáro russo indignara-se especialmente com os artigos contidos em “Problemas do socialismo” (1896-1898). Por outro lado, entusiasmando-se com o livro de Plekhanov “Ensaios sobre a história do materialismo”, e vários artigos contra o revisionismo de Bernstein, publicados em Die Neue Zeit (Revista da Social Democracia alemã), Lênin ataca a defesa pelos “economicistas” do revisionismo, e faz publicar, via Plekhanov, na “Rabótchee Delo” (Causa Operária), o artigo “O protesto dos social-democratas russos contra o Credo”, uma verdadeira declaração de guerra ao oportunismo, aclaradora do caráter revolucionário do marxismo e do partido. (LÉNINE, 1984, p.p. 64-67)

2. Em Lênin, desde logo, as idéias do papel central da classe operária na revolução, da necessidade da conquista do poder político para a transformação socialista, bem como da aliança operário-camponesa, são conseqüências e exigências práticas de sua luta teórica contra os populistas (depois “social-revolucionários”) e as correntes revisionistas. Sua verdadeira carpintaria vai tomando forma quando, no mais longo artigo contra os populistas, “Quem são os amigos do povo” (1894), desmascara a pretensa crítica a Marx [13]; quando encabeça a organização da “União e luta pela libertação da classe operária”, de Petesburgo (1895), e nesse mesmo ano, escreve “Projeto e explicação do Programa do Partido Social-democrata”; posteriormente, “As tarefas dos social-democratas russos” (1897), o que tem “desfecho” no golpe demolidor contra o populismo (O Desenvolvimento), um inigualável instrumento para a convergência analítica sobre o sentido das tarefas da revolução – o que Pekhanov, provavelmente em função de suas influências ideológicas originárias, não conseguiu ser capaz de realizar.

Assim, se no primeiro encontro, de acordo com Potresov, Plekhanov tinha visto Lênin com “com uma cálida simpatia a esse homem da revolução” (WEBER, idem, p. 21), no segundo, em Genebra, reagiu Lênin com decepção. Ao ler o projeto do “Iskra” apresentado por Lênin, Plekhanov fez apenas observações para “correção de estilo”; mas no fundo, Plekhanov se sentiu ofendido: “Com que esses novatos querem falar e atuar com sua própria autoridade!” (WALTER, idem p. 78). Muita prudência para não contrariar o mestre, recomendou-lhe Potresov.

Separaram-se, como adversários: falso, intolerante, irascível, assim o viu Lênin, logo ele que tinha afirmado ser um “enamorado de Plekhanov como podia estar de uma mulher” (WALTER, p. 79). Ocorre que “a manobra” do velho líder deu certo. Nos dois dias seguintes, por atuação de Vera Zasulitch, Plekhanov, Zasulitch, Axerold, Lênin e Potresov (e na ausência de Martov) formaram o comitê de redação do “Iskra”; entretanto numa reunião que assumiu caráter dum pequeno “Congresso” de socialdemocratas, por inspiração de Plekhanov! E mais: a reunião decide, por proposta “conciliadora” de Zasulitch, dar o direito de dois votos a Plekhnov! (Walter, idem, p. 80). Plekhanov triunfa, Lênin aceita, entusiasmado com idéia do papel do jornal.

Dirigido por Lênin, inicialmente em Leipzig, depois Munique, o “Iskra” – e também a revista científica Zariá ou “A Alvorada” – foi um estrondoso sucesso. Em dezembro o jornal nasce ilegal. Destaca o desemprego provocado pela grave crise econômica, em 1901, ano este em que Vladimir Ulianov passa a subscrever-se como Lênin. Efetivamente, foi o responsável pela montagem da estrutura posterior do partido proletário com novas características, e, é claro, palco de grandes divergências entre o velho e o novo líder.

Divergências em torno do conteúdo dos artigos: especialmente sobre a relação entre o espontâneo e o consciente, pois Plekhanov, além disso, concebia o tratamento com a intelligentsia russa como fundamental o que esbarrava na oposição de Lênin a uma aliança estratégica com os liberais. De fato, uma visita a Lênin dos “marxistas legais” P. Struve e do famoso economista Tugán-Baranovski, propondo acordos para a participação na imprensa social-democrata foi por ele rechaçado, o que deixou furioso a Plekhanov.

Sai “Que fazer?” (1902), grande obra de Lênin, o que motiva verdadeira guerra pública entre os dois sobre as concepções de organização: não só por “atraso” em relação à construção do partido, também porque o teoricismo de Plekhanov secundarizava inteiramente a questão (BARON, idem, p. 300-301). Lênin transfere a redação do “Iskra” para Londres, contra Plekhanov, este depois a muda para Genebra. O artigo “O programa agrário da social-democracia russa” sofre “revisão” de Plekhanov, ao que Lênin responde numa carta falando em “ruptura total”, em termos pessoais. (WEBER, idem, p. 52)

Zasulitch e Potresov sempre procuravam a reconciliação dos dois. Lênin pede a Plekhanov um projeto de Programa do partido tendo em vista o próximo Congresso. O projeto sofre críticas fundamentais de Lênin e Martov – não bastassem os equívocos, muito “abstrato”, dizia Lênin. Plekhanov, intolerante e vaidoso indigna-se, mais uma vez incapaz de aceitar qualquer observação às suas teses. Lênin, uma verdadeira máquina, redige outra proposta de Programa.

O II Congresso do POSDR (1903) sela o antagonismo definitivo de Lênin a Plekhanov. Este vota em todas as questões decisivas (programáticas e organizativas) acompanhando Lênin e a antiga ala “iskrista”. Após o Congresso, Plekhanov contraria suas decisões, capitula diante da pressão de Martov. Derrotado na definição do caráter do partido, abandona o núcleo da redação (Plekhanov, Lênin e Martov). Plekhanov une-se aos derrotados e transforma as teses da minoria em maioria, na redação do “Iskra”.

Lênin se demite do “Iskra”. Já era tarde: em 1903 o bolchevismo se formara enquanto corrente de pensamento e partido político. E Plekhanov passou o resto de sua vida como menchevique.

_________________________________________________________________

Sérgio Barroso é mestre em economia pela Unicamp e membro do Comitê Central do PCdoB.

Notas
(1) “Graças à autoridade que lhe é dada por cada indivíduo no Estado, é-lhe atribuído o uso de gigantesco poder e força que o terror assim inspirado o torna capaz de conformar as vontades de todos eles, no domínio da paz em seu próprio país e da ajuda mútua contra os inimigos estrangeiros”. HOBBES, “Leviatã”, 2001, p. 131.
(2) ENGELS, Carta a W. Borgius, 1894; in: Marx-Engels, O. E., v. 3, p.p. 566-567, Avante!, 1984.
(3) A segunda fase da industrialização russa ocorre na segunda metade do séc. XIX, notadamente após a Reforma de 1861, que abole, inconclusivamente, a servidão feudal e lança mão do Estado (FERNANDES, L., 1999, p. 252). Consolida-se então na chamada “segunda onda” das industrializações atrasadas - juntamente ao Japão e à Itália -, na década de 1890 (BARBOSA DE OLIVEIRA, 2003). Há nela três pressupostos centrais: 1. a emancipação da servidão camponesa e a formação do mercado de trabalho; 2. o arranque da “idade da estrada de ferro”, ou a construção ferroviária baseada nas necessidades militares e no exemplo ocidental; 3. no crescimento duma grande indústria têxtil, utilizando-se máquinas e técnicos estrangeiros (Cf. CARR, E., Anagrama, 1969, p. 133).
(4) O painel de fundo da grande literatura progressista da Rússia (entre muitos outros, Gogol, Nekrassov, Turgueneiev, Chetchedrine, Herzen, Tostoi, Gleb Uspenski - este o maior dos escritores populistas) era desenhado pela relação: aldeia russa e um mundo estreito, fechado, de vida patriarcal, com divisão polar do campesinato, versus a devastação e a miséria provocada pelo surgimento do capitalismo. Lênin passou a conhecer essas obras “perfeitamente”; citava-as em seus trabalhos teóricos “para dar vida a todas as estatísticas”; sendo que “o que ele diz da literatura só pode ser compreendido a partir de uma práxis política” (PALMIER, 1976, p.p. 37-39).
(5) Para WALTER (cap. III), a passagem de Lênin à posições revolucionárias, a) coincide “cronologicamente” como o imediato à morte de seu pai; b) contra as condenações e a vaga repressiva, entre março-dezembro de 1887 há intensa agitação estudantil : “Abaixo a autocracia” aparece como consigna; c) quando preso pela primeira vez, Lênin teria respondido sobre seu futuro: “Meu irmão mais velho iluminou o caminho” (BANDEIRA, idem, p. 15); d) na biblioteca da Universidade de Kazán havia uma tradução russa de O Capital, de 1872, sendo presumível seu acesso à juventude revolucionária; d) registre-se que Lênin não conheceu a N. Fedoseev (pioneiro e líder dos círculos ilegais marxistas de Kazán), dado à clandestinidade, mas foi partícipe dos círculos e correspondeu-se com ele por anos. Prisões, deportação e calúnias levaram Fedoseev ao suicídio em 1898, tendo Lênin escrito depois: “a viragem... para o marxismo... [deveu-se] em grande parte à grande influência desse revolucionário invulgarmente talentoso e invulgarmente devotado à sua causa” (LÉNINE, 1984, p.p. 21, 24, 58).
(6) A polarização se assentava especialmente no problema do caminho ao fim da servidão feudal, no apoio ou não à autoridade do czar, na recusa ou não das formas institucionais de representação parlamentar ocidental. No curso dos ‘XIX, eram fortes na poderosa intelectualidade russa (envolvendo por exemplo desde Bakunin até a Dostoievski) as idéias da revolução francesa, bem como as literárias e filosóficas de Hegel, Shelling, Herder, ou as Saint-Simon, Fourier, Feubarch. G. Belinnsky, N. Tchernyshevsky e A. Herzen (1812-70) – o fundador do socialismo na Rússia, disse Lênin – passaram a ser expoentes da corrente eslavófila (Cf. COLE, G. D. H., 1974, v. II, cap. III; VEJARANO, J. J. T. , Apresentação, tomo I, O.C., 1974 ).
(7) “Los nuevos câmbios econômicos em la vida campesina (A propósito del libro de V. E. Póstniko “La explotación agríicola en sur de Rusia”), é considerado primeiro escrito de Lênin, por L. GRUPPi ( 1979, p. 1); ou um dos trabalhos mais antigos de Lênin (O.C., Akal, 1974, v. 1, nota 1, p. 524). Ensaio escrito em seus 23 anos de idade, não sobra qualquer dúvida acerca da enorme estatura intelectual de Lênin.
(8) Em 1895 acontece uma conferência de delegados de grupos e círculos socialdemocratas, que indica a ida de Lênin a Suíça para o encontro – ele e A. Potresov - com G. Plekhanov, a quem Lênin estudava e admirava então. Vai a Alemanha – não consegue encontrar Engels, então próximo à morte – e Paris, voltando à Rússia cinco meses depois. É preso em dezembro e passa cinco anos entre a prisão em Petesburgo e o exílio na Sibéria. Lá estabelece especialmente contatos com L Martov e A. Potressov. No período, além de ler e reler “todas as obras” publicadas de Marx e Engels, estuda Helvécio, d’Holbach e os materialistas franceses, Hegel, Kant, Bernstein, escrevendo não só O Desenvolvimento, como ainda mais de trinta estudos e artigos (LEFBVRE, idem, p.p. 68-9). Quando fatigado dos estudos teóricos, Lênin “lia e relia Puchkin, Lermontov ou Nekrassov”, relembra Krupskaya (1984, p. 32).
(9) Ocorre que, antes disso, Lênin resolvera limpar o terreno contra a argumentação populista, demonstrando sólido domínio do marxismo e utilizando ainda vasto arsenal da estatística econômica. O que pode ser visto em “O chamado problema dos mercados” (1893, somente publicado em 1937), no famoso “Quem são os amigos do povo e como lutam contra os sociais democratas (resposta aos artigos de Rússkoie Bogaststvo contra os marxistas)”, de 1894, e em “O conteúdo econômico do populismo e sua crítica no livro do senhor Struve (Reflexo do marxismo na literatura burguesa)”, de 1894-5. Espécie de trilogia, esses “artigos” de Lênin somam nada menos que 422 páginas! Ver: Tomo I, O. C., Akal Ayuso, 1974.
(10) Esquematicamente, da trajetória de Plekhanov, uma personalidade extremamente difícil, importa destacar: 1) entre 1875 e 1883, Plekhanov foi defensor militante das idéias do populismo, inclusive simpatizante das concepções anarco-terrorismo; 2) no exílio (Genebra) desde 1880, após escrever vários ensaios e artigos importantes, de inspiração marxista, Plekhanov traduz O Manifesto Comunista (1882), e em 1883 funda o grupo “Libertação do Trabalho”, pioneira organização marxista da Rússia; 3) de 1883 a 1903, realiza violenta cruzada de ataques ao populismo; 4) no período 1903-1912, decisivo para a formação do bolchevismo, liderado por Lênin, as relações entre os dois se deterioram, tendo “o pai do marxismo russo” assumindo a posição menchevique (Cf. BARON, 1976, cap. 4 e 5; PALMIER, 1976, cap I, v. 1).
(11) Segundo depoimento de L. Martov, “(...) [em] meu último ano de exílio havia recebido uma carta[1898] de V. I. Ulianov proprondo-me a concertação de uma ‘tríplice aliança’ na qual deveria entrar, além de nós, A. N. Potresov... Adivinhei que se tratava de uma empresa jornalística em gestação. Respondi dando minha completa adesão” (“Notas”, de Martov, apud WALTER, p. 73).
(12) Em 1897 Lênin havia escrito o artigo “As tarefas da social-democracia russa”. Em 1898, nove delegados celebram, em Minsky, o I Congresso do Partido Operário Social-democrata da Rússia – todos são presos logo a seguir. É um ano de intensas lutas operárias, quando Lênin, do exílio, se declara logo membro do partido. Os “economicistas” e os “marxistas legais” atuam com grande desenvoltura (jornais, Revistas, etc.) (WALTER, idem, 72-73; WEBER, 1975, 29-30).
(13) “Os Amigos do Povo” era autodenominação geral das correntes populistas. O longo artigo de Lênin é uma dura resposta ao famoso líder teórico e político M. Mikhailovski (“A literatura e a vida”); a M. Krivenko (“Da solidão de certos intelectuais”); e a Iujakov (“Os problemas do desenvolviemnto econômico’), publicados na revista Russkoié Bogatsvo, ou “A Riqueza Russa” . De acordo com PALMIER (idem, p.p.52-54), Lênin leva mais adiante os argumentos de Plekhanov (“As nossas diferenças”, 1894) contra os populistas: “Não há que decidir se o capitalismo deve desenvolver-se o não: já está desenvolvido. A Rússia não tem de criar os eu proletariado: este já existe”.

Bibliografia
BANDEIRA, Moniz. Lênin Vida e Obra. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978.
BARBOSA DE OLIVEIRA, C.A. O Processo de Industrialização – do capitalismo originário ao atraso. São Paulo: Unesp, 2003.
BARON, Samuel. Plejanov – el padre del marxismo ruso. México, Siglo veinteuno editores s.a., 1976.
BARROSO, Aloisio S. R. Capitalismo e crise contemporânea a razão novamente oculta. Diss. de Mestrado, IE/Unicamp, Campinas, fev. 2003.
BESSE, G., MILHAU, J., SIMON, M. Lenine, A filosofia e a cultura. Lisboa, Prelo, 1974.
CARR, E. H. 1917 Antes y después. Barcelona, Anagrama, 1969.
COLE, G. D. H. Historia del pensamiento socialista – marxismo e anarquismo 1850-1890, v. II. México, Fondo de Cultura Econômica, 1974, tercera reimpressión.
FERNANDES, Florestan. Lênin. Política. (org. e Introdução), São Paulo, Atica, 1978.
FERNANDES, Luis M. “Rússia: do capitalismo atrasado ao socialismo real”. In: Estados e moedas no desenvolvimento das nações, J. Luís Fiori, (org), Vozes, 1999.
GRUPI, Luciano. O pensamento de Lênin. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1979;
HOBSBAWN, E. J. “Introdução ao Manifesto Comunista”. In: Sobre História, Paz e Terra, 1998.
____________ A Era dos Impérios. Paz e Terra, 2003, 6ª edição.
____________ “A cultura européia e o marxismo entre o Séc. XIX e o Séc. XX”. In: História do marxismo. O marxismo da época da II Internacional, v. 2, Primeira parte, Paz e Terra, 1982.
KRUPSKAYA, Nadiezhda. Lenin – su vida, su doctrina. Buenos Aires, Rescate, 1984;
LEFBVRE, H. O pensamento de Lenine. Lisboa, Moraes Editores, 1969;
LÉNINE. Biografia. Avante! Lisboa/ Progresso Moscou, 1984.
LENIN, V. I. Obras Completas. Tomo I, Madrid, Akal Editor, 1978.
_________ Obras Completas. Tomo II. Madrid, Akal Editor, 1978.
LÊNIN, V.I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. O processo de formação do mercado interno para a grande indústria. Nova Cultural, Tradução e Apresentação de José Paulo Neto, 1985.
PALMIER, Michel. Lenine - A arte e a revolução. (Ensaio sobre a estética marxista), V. 1. Lisboa, Moraes Editor, 1976.
VEJARANO,J.J.T. “Apresentação”, in Lênin, Obras – Tomo I. Madri: Akal, 1978.
WALTER, Gerard Lenin, Biografias Grandesa. Barcelona-México, Ediciones Grijalbo ltda., 1974, 5ª edição;
WEBER, Gerda &Hermann. Crônica de Lenin – datos sobre su vida y su obra. Barcelona, Anagrama, 1975.

Fonte: revista Princípios