Artigos

Mudança ou morte

Jorge Messias Publicado em 22.06.2011

Tudo está em marcha, a partir das grandes centrais políticas do capitalismo tradicional: a banca, a direita partidária, o mundo subterrâneo do negócio, as religiões, as chamadas organizações filantrópicas com fins não-lucrativos, as sociedades secretas como a Máfia, a Maçonaria ou o Opus Dei, enfim, as forças gigantescas que baralham as pistas mas visam, como objectivo último, a sujeição do homem comum à condição de escravo.

«A táctica marxista consiste em combinar as diferentes formas de luta, em passar habilmente de uma para a outra, em elevar firmemente a consciência das massas e a amplitude das suas acções colectivas, cada uma das quais é umas vezes ofensiva, outras defensiva enquanto que todas, em conjunto, conduzem a um conflito de classe mais profundo e decisivo».

V.I. Lenine («Obras», tomo 20).

«Os cristãos vivem um momento difícil de esperança a roçar o desespero. Esperança, na profunda renovação da Igreja. Desespero perante as pertinazes resistências oferecidas, sobretudo, pelos mais altos responsáveis eclesiásticos, ao ritmo de evolução anunciado pelo Concílio (Vaticano II).

Não se oculta que esta vivência atinge uma minoria de cristãos (presbíteros ou leigos). A grande maioria não sente qualquer necessidade de renovação. Uns, porque têm nas mãos as alavancas da condução da vida oficial da Igreja. Esses, temem perder a sua incontestada dominação e tudo tentam para que nada mexa...São os patrões da religião. Outros, porque estão modelados por um sistema de alienação

que não lhes permite o exercício do espírito crítico sobre a situação de infantilismo religioso a que estão reduzidos. São os escravos da religião cuja função é sevirem-se da mercadoria religiosa e sustentarem os mandarins».

Para quem esqueça facilmente a História: o padre Felicidade Alves foi um notável pensador dos tempos inacabados da «Teologia da Libertação» e um corajoso antifascista. Sobretudo os católicos deveriam recordá-lo. Hoje, tal como então, a hierarquia eclesiástica continua a envolver-se nos mais repugnantes crimes contra a humanidade. Assim, para ajudar a que a memória se mantenha, vamos arquivar nestas colunas algumas pistas a desenvolver em investigações futuras.

O tema que presentemente mais chama a atenção é o da instalação evidente de um oculto governo mundial único das grandes fortunas, dotado de um minucioso projecto de «Nova Ordem» à escala planetária. Calcula-se que em todo o mundo capitalista o fosso entre ricos e pobres seja de tal ordem que 0,5% da população mundial, dotada de fortunas pessoais gigantescas, comandam as políticas que esmagam os restantes 99,5% de seres humanos.

São óbvias, assim, as razões que tornam urgente a concentração do poder político nas mãos de uma só entidade central da fortuna. O capitalismo selvagem assume dimensões globais. O controlo dos créditos não pode escapar aos próprios banqueiros. No horizonte social, cresce o fantasma da luta de classes. Teme-se que as instituições capitalistas sejam incapazes de dominar com os meios de que dispõem o perigo catastrófico de uma derrocada das bolsas de valores mundiais.

E o tempo urge. A concentração da riqueza assume contornos de uma corrida «contra relógio». Embora seja evidente que, em tempos recentes, a organização financeira neoliberal tenha vindo a alcançar metas importantes. Sobretudo no que se refere à agilização de uma pesada estrutura semi-secreta de «organizações em rede», sociais e lucrativas. O universo capitalista dispõe, pela primeira vez na História, de uma imensa malha, praticamente indetectável, de partilha dos lucros do saque, de consolidação do seu aparelho e de expansão do poder. Simples exemplos disto são as redes de off-shores, o funcionamento interligado de estruturas mundiais como o FMI, o Banco Mundial, a Organização Mundial de Saúde, a União Europeia ou o G8, etc. Mas todas estas instituições (e muitas outras) têm vindo a actuar sobre si mesmas, com graves perdas para as oligarquias mundiais. É preciso, sem perda de tempo, centralizar o poder num só Governo cujas decisões sem apelo dominem o homem e o mundo.

Tudo está em marcha, a partir das grandes centrais políticas do capitalismo tradicional: a banca, a direita partidária, o mundo subterrâneo do negócio, as religiões, as chamadas organizações filantrópicas com fins não-lucrativos, as sociedades secretas como a Máfia, a Maçonaria ou o Opus Dei, enfim, as forças gigantescas que baralham as pistas mas visam, como objectivo último, a sujeição do homem comum à condição de escravo.

Teremos de progredir aos poucos na invocação destes riscos que nos ameaçam mas que seremos capazes de derrotar. Força positiva que será tanto maior quanto melhor nos soubermos aproximar uns dos outros, num mesmo esforço de ruptura e de revolução social.

______________

Fonte: jornal Avante!