Prosa@Poesia

Primeiro de Maio, poema de Adalberto Monteiro

Cezar Xavier Publicado em 25.04.2018

Agora a voz de cada um faz parte / De um canto cantado por um coral de milhares. / Não somos indivíduos nem multidão, / Somos um povo unido.

Foto: Sebastião Salgado

Nesta manhã de Primeiro de Maio, Não há por que invejar o sol.
Éramos algo sem nenhuma importância coletiva,
Indivíduos, nada mais.
Nos transformamos num gigante coração
A marchar pelas avenidas.
Nossas reivindicações eram apenas pedidos,
Menos do que isso, gemidos,
Aguardando audiências e despachos.
Agora a voz de cada um faz parte
De um canto cantado por um coral de milhares.
Não somos indivíduos nem multidão,
Somos um povo unido.

Adalberto Monteiro
As delícias do amargo & uma homenagem: poemas
Editora Anita Garibaldi – 1ª edição 2006