O PCdoB, por meio da Comissão do Centenário, e a Fundação Maurício Grabois promovem, nos dias 13 a 15 de maio, o seminário PCdoB centenário e contemporâneo. Realizado de forma híbrida, na sede do partido em São Paulo e pelas redes sociais, o evento compõe as comemorações dos 100 anos e fará uma reflexão sobre a trajetória de um século de lutas da legenda comunista, bem como sobre as batalhas que trava no presente para restaurar a democracia, retomar o desenvolvimento e garantir vida digna ao povo.

Ao mesmo tempo, o seminário colocará em pauta temas como a alternativa do socialismo, a jornada para revigorar a legenda comunista em suas múltiplas dimensões e o caráter internacionalista do partido. O seminário contará com a participação de dirigentes do PCdoB e também intelectuais e personalidades progressistas (saiba mais na programação abaixo).

“As cinco mesas de debates procurarão demonstrar o binômio que nomeia o seminário, isto é, o PCdoB é, a um só tempo, centenário e contemporâneo. A mesa de abertura já evidenciará isto. Enquanto o presidente da Fundação Mauricio Grabois , Renato Rabelo apresentará uma síntese do documento ‘PCdoB um século de lutas em defesa do Brasil, da democracia e do socialismo’, Luciana Santos presidente da legenda comunista irá discorrer sobre um partido que tem sim uma saga heróica e, alicerçado nessa saga, tem os pés firmes no presente e mira o futuro”, explicou Adalberto Monteiro, secretário de Formação e Propaganda do PCdoB e diretor de Formação da Fundação Mauricio Grabois ao Portal do PCdoB. 

Assim, completou, “o seminário a um só tempo examinará o percurso no PCdoB nos ciclos da história brasileira e a alternativa socialista na contemporaneidade; as gerações que o edificaram, o legado à nação e à classe trabalhadora e os caminhos para reconstruir o Brasil ; e ainda o grande desafio da contemporaneidade de se construir um partido à altura dos desafios da nova luta pelo socialismo que se trava no século 21”.

Como acompanhar

Para permitir que um maior número de pessoas possa acompanhar o debate em todo o país, foi escolhido o formato híbrido. No dia 13 de maio, o evento será apenas virtual e nos dias 14 e 15, virtual e presencial, na sede do PCdoB (Rua Rego Freitas, 192, República – São Paulo).

Dirigentes de diversas instâncias do partido cadastrados no PCdoB Digital poderão acompanhar por uma sala virtual exclusiva, que será disponibilizada acessando o aplicativo.

Além disso, o evento será transmitido pelas redes do PCdoB no Youtube (PCdoB Oficial), no Instagram (@PCdoB_Oficial) e no Facebook (PCdoB65), além do canal da TV Grabois no Youtube, com transmissão cruzada por outras redes sociais parceiras. Os militantes que desejarem assistir presencialmente deverão fazer inscrições pelo WhatsApp (11) 96584-8316.

Programação

Confira abaixo a íntegra da programação.

PRIMEIRA ETAPA

13 de maio (sexta-feira) — apenas virtual

– 18h30

Abertura

Exibição do curta-metragem Feito de amor e coragem

– 19h00

Mesa 1 – PCdoB, Centenário e Contemporâneo

“O PCdoB chega a um século de existência jovem e contemporâneo (…) porque soube renovar seu pensamento político, tático e estratégico, em meio ao fluxo do movimento, das mudanças, da realidade mundial e brasileira (…). Consoante à sua base teórica, o marxismo-leninismo, o Partido soube aprender com os erros, enriquecer-se com as lições da história e dar respostas aos novos dilemas e desafios que emergem sem cessar da dinâmica das lutas de classes”.

Renato Rabelo (presidente da Fundação Maurício Grabois)

PCdoB: um século de lutas em defesa do Brasil, da democracia e do socialismo

Apresentação do documento da direção nacional do PCdoB que sintetiza um século de lutas dos comunistas. A sinopse abarca a presença do Partido nos ciclos da história, o seu legado e as gerações que o edificaram, as orientações derivadas das lições da prática transformadora e a jornada, na contemporaneidade, pela alternativa socialista.

Luciana Santos (presidente do PCdoB)

PCdoB: Saga heroica, pés no presente, olhos no futuro!

A centenária trajetória épica dos comunistas desemboca no grande confronto em curso no país para derrotar Bolsonaro, eleger Lula presidente e restaurar a democracia. Nessa jornada, destaca-se a batalha para fortalecer a representação parlamentar institucional do PCdoB.

Mediação: Adalberto Monteiro (secretário de Formação e Propaganda do PCdoB)

14 de maio (sábado) — presencial e virtual

– 9h00

Mesa 2 – O PCdoB nos ciclos da história. Da fundação à atualidade

Não se pode compreender a história do Partido Comunista do Brasil sem entender a história do Brasil. Mas também não se pode entender a história brasileira sem levar em conta a ação dos comunistas. Nesse sentido, a história do Partido pode ser apresentada, na dinâmica dos grandes ciclos da história republicana, em seis etapas, destacando-se a participação dos comunistas nos principiais episódios deste período“.

José Luiz Del Roio (escritor e ex-senador da Itália)

A Fundação do Partido. O papel de Astrojildo Pereira, o principal articulador da fundação; os grupos comunistas que realizaram a arregimentação nos estados para a viragem da corrente anarquista para a comunista; e os primeiros anos da atuação partidária.

João Quartim de Moraes (professor aposentado da Unicamp, dirigente nacional do PCdoB)

O comunismo chegou ao Brasil antes do marxismo. A construção da corrente revolucionária de matriz marxista, que atuou a partir da tradição das lutas brasileiras, das orientações da Internacional Comunista e, a seguir, interpretou o Brasil a partir do marxismo.

Marly Vianna (professora e historiadora)

A Aliança Nacional Libertadora (ANL) e a Insurreição de 1935. Da atuação nos subterrâneos da liberdade à legalidade e à expansão de 1945.

Fernando Garcia (historiador, coordenador do Centro de Documentação e Memória — CDM)

História da legenda comunista entrelaçada com a história do Brasil. As seis etapas da história do PCdoB.

Mediação: Madalena Guasco Peixoto (Diretora da Faculdade de Educação da PUC-SP)

Intervalo

– 14h00  — presencial e virtual

Mesa 3 – Reconstrução nacional e a retomada do desenvolvimento soberano

“O Centenário de nossa legenda acontece no mesmo ano do Bicentenário da Independência. Com justificado orgulho, com base em fatos históricos, podemos afirmar: em cem anos de batalhas, sempre atuando em unidade com outras forças políticas democráticas, ajudamos a construir o Brasil. Muito da democracia, de nossa soberania, da base material do país, como é o caso da criação da Petrobras; muito dos direitos do povo, muito do nível de consciência, unidade e organização da classe trabalhadora têm o aporte, a contribuição dos comunistas”.

Leda Paulani (economista, professora da USP)

Eduardo Costa Pinto (professor de Economia Política e Economia Brasileira do Instituto de Economia (IE) da UFRJ)

As transformações recentes do capitalismo brasileiro.

Luciano Coutinho (economista, ex-presidente do BNDES)

Os desafios ao Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento

Mediação: Aloisio Sérgio Barroso (diretor da Fundação Maurício Grabois)

– 18h30  — presencial e virtual

Mesa 4 – A alternativa socialista

“O desenho que se apresenta é de grandes lutas, que passam por um novo projeto nacional de desenvolvimento, autônomo – na periferia e semiperiferia do capitalismo –, em consonância com a transição no sistema de poder, com tendência à multipolaridade. Um combate político e ideológico ao neoliberalismo, mostrando suas contradições, inclusive nos países capitalistas centrais, sobretudo os europeus, que enfrentam jornadas de lutas contra o desmantelamento do Estado de bem-estar social. São contradições no coração do capitalismo, que o desestabilizam e o abalam. No seu conjunto, abrem Caminho para a luta pelo socialismo”.

Luís Fernandes (professor da UFRJ e da PUC-RJ)

Os desafios geopolíticos atuais do Brasil diante do desafio de empreender a reconstrução nacional. As oportunidades de desenvolvimento soberano, como caminho na direção do socialismo, no contexto de um mundo em transição, com a ascensão da China socialista e o declínio dos Estados Unidos.

Ana Prestes (cientista política, Secretaria de Relações Internacionais do PCdoB)

O internacionalismo, a solidariedade entre os povos, como marcas do Partido Comunista do Brasil. Uma leitura hodierna panorâmica da atuação da corrente revolucionária marxista no mundo.

Elias Jabbour (professor da Uerj e pesquisador)

Perspectivas chinesas de aprofundamento da construção do socialismo. O papel do projetamento e a centralidade da questão nacional na estratégia do gigante asiático.

Carlos Lopes (vice-presidente do PCdoB, editor do Hora do Povo)

A relação entre a questão nacional, a luta anti-imperialista e a luta pelo socialismo no mundo hoje, e em especial no Brasil.

Mediação: Flávia Calé (presidente da Associação Nacional de Pós-Graduados, ANPG)

15 de maio (Domingo) – 9h 30  — presencial e virtual

Mesa 5 – Construção do Partido para a nova luta pelo socialismo

“Revitalizar o Partido em suas múltiplas dimensões para que esteja à altura dos desafios contemporâneos da luta de classes no país. O enfrentamento da onda ultraconservadora e a jornada para derrotá-la indicam a imprescindibilidade da ação na disputa de ideias e da força de comunicação; na contraofensiva por intermédio das redes digitais; na atualização da imagem e identidade do Partido nos termos das características brasileiras; na luta social em suas múltiplas e renovadas dimensões; no aperfeiçoamento de suas redes organizativas e no protagonismo das lideranças, voltando todos esses fatores também para alcançar maior força nas disputas eleitorais.”

Walter Sorrentino (vice-presidente do PCdoB)

Um Partido Comunista contemporâneo para um período de acumulação estratégica de forças. 100 anos de perene construção partidária: os dilemas enfrentados pela afirmação de um partido de princípios. Permanência e Renovação: atualização de concepções e práticas de partido. Desafios da época contemporânea: revitalizar a construção partidária para a nova luta pelo socialismo, nas condições do Brasil. A força política, eleitoral, orgânica e de massas, como fator decisivo nos embates das lutas de classes. A identidade partidária e força eleitoral – um partido patriótico, popular e contemporâneo, capaz de sensibilizar o povo e mobilizá-lo, abrasileirando integralmente nossas feições e identidade.

Nivaldo Santana, (secretário sindical do PCdoB e diretor da CTB)

O legado à classe trabalhadora. A projeção do povo e dos trabalhadores na vida política do país. Empenho para elevar o nível de consciência de classe e com a unidade e capacidade de luta e fortalecimento de suas entidades e de seus movimentos. Os desafios para mobilizar e organizar os/as trabalhadores/as em face à precarização do trabalho e às mudanças do perfil da classe trabalhadora.

Lucia Rincon (Ex-pres. da UBM e professora da PUC-GO) e Mariana Venturini (Pesquisadora e Vice-Presidente da UBM): Iniciativas principais do Partido, ao longo da história, para criar movimentos pelos direitos das mulheres, contra violências e discriminações e pela fundação de organizações feministas. A luta das mulheres no século XXI. A corrente marxista e emancipacionista.

Mediação: Rosanita Campos (dirigente nacional do PCdoB e coordenadora da Cátedra Cláudio Campos da Fundação Maurício Grabois)

13H – Encerramento