Eleição em Israel mostra crescimento da extrema direita e declínio da socialdemocracia.

Artigo publicado por Naim Mousa em Mondoweiss em 12.11.2022. A tradução é de Theófilo Rodrigues.

O Partido Comunista é a única força capaz de desafiar o ultranacionalismo em Israel

Os resultados das últimas eleições israelenses podem não ter surpreendido ninguém, pelo menos no que diz respeito ao retorno de Netanyahu. No entanto, suas consequências serão fundamentais de duas maneiras no desenvolvimento futuro de Israel e em seus impactos na luta palestina pela autodeterminação e igualdade nacional. Primeiro, a ascensão, legitimação e normalização da extrema direita e seus componentes fascistas mudarão para sempre o cenário político do país. Em segundo lugar, o colapso completo e total – não, a extinção – da chamada “esquerda sionista” em Israel deixa o Partido Comunista (o núcleo do partido Hadash) como a única força de esquerda no país e o apresenta com uma oportunidade de ouro para liderar a esquerda israelense e palestina em sua luta contra o kahanismo e o ultranacionalismo em Israel.

Primeiro, é importante notar que o sionismo em geral é de direita. É uma ideologia colonialista que surgiu na Europa no auge do imperialismo e é fundamentalmente uma ideologia que serve aos interesses do imperialismo ocidental. A ascensão da extrema-direita israelense moderna (ou mais precisamente a extrema extrema-direita), vista no partido Sionismo Religioso liderado por Bezalel Smotrich e Itamar Ben-Gvir tornando-se o terceiro maior partido no Knesset (parlamento israelense), encontra suas raízes no final dos anos 1990 com o primeiro mandato de Netanyahu como primeiro-ministro de 1996 a 1999. Durante esse período, ele implementou inúmeras reformas neoliberais, destinadas a privatizar e liberalizar os vários setores econômicos do país. Após seu curto período como primeiro-ministro, ele continuou implementando suas reformas como ministro das Finanças de 2003 a 2005. Essa tendência de liberalização do mercado, privatização e restrição do movimento e instituições trabalhistas continuou bem em seus últimos mandatos como primeiro-ministro.

A liberalização econômica de Israel sob Netanyahu é a principal responsável pelo aumento do custo de vida em Israel, principalmente quando se trata de moradia. À medida que o custo de vida das pessoas começa a subir, elas se deparam com duas alternativas: resistir ao sistema capitalista que as está subjugando a esses padrões de vida ou direcionar sua raiva para comunidades marginalizadas ou outros “inimigos estrangeiros”. Assim, não é surpreendente que a liberalização econômica de Israel corresponda a um aumento da incitação dos políticos israelenses e do público contra os palestinos e outras minorias (como a comunidade etíope). A penetração do capitalismo financeiro israelense em todos os aspectos da vida econômica e privada em Israel está transformando-o em uma sociedade hiperindividualista, com a alienação da classe trabalhadora atingindo níveis cada vez maiores. Cidadãos judeus e palestinos foram jogados no vale-tudo enquanto lutam para sobreviver nesta realidade econômica, que eliminou muitos dos canais pelos quais a cooperação judaico-árabe foi construída ao longo dos anos, particularmente após os Acordos de Oslo, que viram maior interação entre cidadãos palestinos e judeus de Israel econômica e socialmente.

Essa alienação é muito suscetível à exploração por partidos de direita, cujo incitamento violento, racista e não filtrado contra os palestinos foi uma distração fácil para as pessoas que enfrentam dificuldades econômicas. No entanto, isso não quer dizer que a ascensão da extrema-direita esteja desconectada do fortalecimento da ocupação. A contínua ocupação e opressão do povo palestino levará inevitavelmente à resistência por parte deles, o que permite à direita israelense incitar ainda mais contra eles, ao mesmo tempo em que continua a implementar suas políticas neoliberais no país que aprofundam a desigualdade e empurram as massas trabalhadoras em Israel ainda sob a subordinação do capital.

A ascensão da direita supremacista judaica em Israel, liderada pelo Partido do Poder Judaico de Ben-Gvir, não é apenas perigosa para os palestinos, mas também para os israelenses. A direita liderada por Netanyahu em Israel trabalhará rápida e agressivamente para aprofundar a ocupação, incitar contra os palestinos e expulsar à força os palestinos de Jerusalém Oriental e de toda a Cisjordânia ocupada. No entanto, também permitirá e capacitará o capitalismo israelense e o capital financeiro a continuar crescendo, tornando-se mais centralizado e concentrado nas mãos das corporações israelenses. Os trabalhadores israelenses só se tornarão mais radicalizados, pois são invadidos pelo ódio e pela violência vomitados por gente como Ben-Gvir, e muitos temem com razão que as instituições democráticas de Israel (pelo menos dentro das fronteiras de 1967) estejam sob ameaça.

Há várias lições importantes desta eleição. Ela mostrou ao mundo inteiro que a “esquerda sionista” está praticamente extinta da política israelense. O único partido que pode chegar perto de ser considerado parte da “esquerda” é o Meretz, e apenas cinco meses atrás eles votaram a favor da extensão da ordem de emergência que concede aos colonos judeus israelenses na Cisjordânia ocupada um governo civil, enquanto os palestinos na mesma área estão sujeitos ao regime militar. E mesmo assim, o Meretz não conseguiu ultrapassar o limiar eleitoral. Além disso, o supostamente “centro-esquerda” Partido Trabalhista israelense – o partido de David Ben-Gurion e Yitzhak Rabin; o partido que fundou o Estado de Israel – recebeu menos votos do que as duas listas árabes que ultrapassaram o limiar eleitoral. Em outras palavras, o público judeu israelense praticamente abandonou seus movimentos de esquerda (pelo menos o que resta deles).

Também devemos entender o papel dos cidadãos palestinos de Israel nas eleições mais recentes e o fracasso da Lista Conjunta em construir uma ampla coalizão de esquerda.

A Lista Conjunta foi inicialmente composta por quatro dos partidos políticos de maioria palestina em Israel: Hadash, Balad, Ra’am e Ta’al. Quando a Lista Conjunta foi estabelecida pela primeira vez em 2015 por iniciativa do Hadash, forneceu imensa esperança e otimismo aos cidadãos palestinos na criação de um bloco considerável no Knesset israelense para combater os partidos sionistas, particularmente os partidos de direita liderados por Netanyahu. Essa popularidade culminou em 2020, quando a Lista Conjunta garantiu 15 assentos sem precedentes no Knesset, mantendo sua posição como o terceiro maior partido no Knesset. Isso se deve principalmente a um aumento significativo na participação dos eleitores árabes, mas também devido ao Hadash garantir votos da comunidade judaica, já que muitos eleitores judeus-israelenses buscavam uma alternativa à fracassada “esquerda sionista”.

No entanto, o partido islâmico Ra’am se separou da Lista Conjunta em 2021 e optou por se juntar à coalizão governamental israelense que lançou uma guerra em Gaza e reprimiu brutalmente os cidadãos palestinos de Israel que marcharam contra o derramamento de sangue. Além disso, Balad e Ta’al ainda precisam provar sua capacidade de concorrer por conta própria nas eleições israelenses e, no caso de Balad, exigiram uma liderança dentro da Lista Conjunta que não era compatível com os votos que trazia para a coalizão. Todos esses fatores levaram ao fim da Lista Conjunta nestas últimas eleições.

Contudo, apesar da dissolução da Lista Conjunta e do contínuo incitamento da extrema-direita israelense, os eleitores árabes surpreenderam a todos, pois sua participação aumentou cerca de 10 pontos percentuais em comparação com as eleições anteriores, garantindo Ra’am e Hadash-Ta’al 5 assentos cada. O Hadash provou sua capacidade de mobilizar os cidadãos palestinos mais uma vez, enquanto Balad desperdiçou um número considerável de votos ao não atingir o limite de votação quando esses votos poderiam ter contribuído para uma voz conjunta mais forte no parlamento.

A traição de Ra’am ao movimento palestino ao se juntar à atual coalizão governamental e a tola aposta política de Balad afetarão sua legitimidade aos olhos dos cidadãos palestinos. Após a eleição, ficou claro que o Hadash é o único partido na comunidade palestina capaz de construir uma ampla coalizão palestina. O Partido Comunista de Israel, que forma o núcleo da lista Hadash, desempenhou um papel fundamental em Israel na organização e mobilização dos cidadãos palestinos de Israel e no movimento de esquerda mais amplo no país. O Partido Comunista de Israel foi e continua a ser o único partido judaico-árabe em Israel desde a sua criação em 1948. Como tal, é o único partido no país criado exclusivamente para alcançar cidadãos palestinos e judeus de Israel na luta contra a ascensão do ultranacionalismo.

Hadash e o Partido Comunista têm um caminho livre pela frente. O colapso sombrio da “esquerda sionista” criou um vácuo dentro do movimento de esquerda em Israel que deve ser preenchido com urgência pelo Partido Comunista e pelo Hadash. Sua plataforma econômica visa eliminar o neoliberalismo em Israel, que ressoa com a classe trabalhadora judaica, e nenhum dos outros partidos árabes – ou mesmo o Partido Trabalhista ou o Meretz – tem uma posição econômica forte em relação às condições econômicas da classe trabalhadora, tanto judeus quanto palestinos. Enquanto a extrema direita continua a dominar o país, o Partido Comunista de Israel é a única força ainda pronta para enfrentá-la.

AYMAN ODEH, HEAD OF THE HADASH PARTY, VOTES DURING THE 2015 ISRAELI NATIONAL ELECTIONS. (PHOTO: MUAMMAR AWAD/APA IMAGES)