Artigos

A França percebe que a América de Biden vem primeiro

Anne E. Deysine Publicado em 04.10.2021

Primeiros sinais da diplomacia de Joe Biden revelam que ele está mais próximo do unilateralismo de Trump que do multilateralismo de Obama

Trump / Biden, mesma luta? Isso é o que os outros aliados da França e da América podem pensar

Em questões de política externa, Donald Trump defendeu e colocou em prática durante quatro anos o princípio ” America First” . Joe Biden anunciou a seus aliados, após sua eleição em 2020, que a América estava “de volta” (a América está de volta ). Uma fórmula que implicava, a nível internacional, uma renovação do multilateralismo, que os parceiros ocidentais dos Estados Unidos não deixaram de saudar.

Oito meses após a ascensão do candidato democrata à Casa Branca, muitos elementos de natureza diferente (continuidade de várias políticas Trump, cenas de julgamento na fronteira mexicana, vários fracassos na política externa) levam à pergunta: a chegada de Biden realmente mudou o jogo para França e outros aliados da América?

Nas últimas semanas, esse problema se tornou ainda mais agudo com a retirada caótica do Afeganistão e o caso do submarino.

Um foi feito sem consulta aos aliados e resultou no abandono de mulheres, jornalistas, intérpretes e todos aqueles que apoiaram e ajudaram as tropas americanas durante vinte anos e que, sem possibilidade de deixar o Afeganistão, se encontram em perigo de morte.

A outra foi chamada de traição americana por Paris. Além de um caso de concorrência desleal entre aliados, o episódio que viu a Austrália desistir da compra de submarinos franceses em favor de uma nova aliança com Washington e Londres marca, do ponto de vista francês, a recusa americana em reconhecer o papel da França na a zona Indo-Pacífico , embora tenha vários territórios, dois milhões de nacionais e 7.000 soldados lá.

No caso afegão, como na sequência australiana, o comportamento americano parece cair sob o mantra “America First”, que se acreditava pertencer ao passado. O benefício da dúvida deveria ser concedido ao governo Biden, entretanto?

A falta de pessoal, o motivo da cacofonia australiana?
O Departamento de Estado dos EUA trabalha em silos, o que significa que seus serviços operam de forma muito independente uns dos outros, e seus funcionários da Ásia sem dúvida não mantiveram o Departamento da UE atualizado sobre as negociações com Canberra.

Além disso, no sistema de despojos que continua a prevalecer apesar de seus muitos efeitos perversos, um presidente deve nomear 4.000 pessoas, incluindo 1.250, sujeitas à aprovação do Senado. No entanto, até o momento, Joe Biden obteve apenas a confirmação de 137 de seus candidatos, outros 226 aguardando os seus, bloqueados pelos republicanos por motivos políticos, com centenas de outros funcionários ainda aguardando nomeação.

Apenas 137 dos candidatos sujeitos à aprovação do Senado para serem nomeados para a administração Biden estão em funções. Senado dos Estados Unidos
Alguns departamentos estão, portanto, despovoados e incapazes de ajudar o presidente a tomar a melhor decisão. Foi o que Joe Biden sugeriu ao seu homólogo francês durante a troca telefónica, quando reconheceu a sua responsabilidade pela falta de consulta a Paris .

De qualquer forma, a tarefa de Joe Biden torna-se mais delicada. Sua eleição em 2020 foi um alívio, mas aqueles que acreditavam que tudo iria mudar foram bastante ingênuos: basicamente, os presidentes americanos, democratas e republicanos, sempre tiveram o interesse de seu país como prioridade, e isso é feito no passado detrimento de outros.

Por trás dos discursos, America First
Sem negar o que devemos aos Estados Unidos, é sempre o interesse nacional que prevalece por trás dos discursos de seus líderes. Trump se contentou em abandonar a parte “retórica” e optar por políticas impulsivas e muitas vezes contraproducentes.

Ele impôs tarifas e outros danos aos vários aliados da América enquanto apoiava muitos autocratas ao redor do mundo e deu ao líder norte-coreano a visibilidade que ele desejava, sem receber nada em troca.

Também tirou os Estados Unidos da Parceria Transpacífico (TPP) – que, segundo o governo de Barack Obama (seu iniciador), foi a peça central do pivô para a Ásia – e do acordo com Teerã , que deixou o Irã livre para aumentar seus estoques de urânio enriquecido e, aliás, permitiu aos Estados Unidos ameaçar com sanções extraterritoriais às empresas francesas e europeias que continuassem a investir nele.

Nesse contexto, Joe Biden teve que tranquilizar os aliados, relembrar a importância do multilateralismo violado por Donald Trump e criar uma frente ocidental contra a China e autocratas. O que ele tentou fazer em seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas .

Primeiro discurso de Joe Biden na ONU em 21 de setembro de 2021, na sede da organização em Nova York. Getty Images América do Norte / AFP
E no papel, tudo é perfeito. O discurso é um misto de belas palavras sobre democracia, direitos humanos e necessidade de agir em conjunto, apelos à responsabilidade (“devemos” repetidos em leitmotiv), vários compromissos (vamos) e anúncios quantificados: 100 bilhões de dólares para o clima , 10 bilhões de dólares para o combate à fome no mundo, sem falar na distribuição de vacinas.

Mas a realidade é que sua política externa é uma continuação da de seu antecessor, a ponto de às vezes ser qualificada de repúdio à liderada por Barack Obama, do qual foi vice-presidente por oito anos. As tarifas ainda estão em vigor e, embora os Estados Unidos tenham aderido ao acordo climático de Paris , as negociações com o Irã não estão avançando e nada está sendo feito em relação à Coréia do Norte ou aos Estados Unidos. Parceria transpacífica (TPP).

Então, o que Joe Biden pode fazer?
Uma primeira observação é óbvia: a situação atual nos Estados Unidos está muito longe dos belos ideais que Joe Biden exibiu na ONU. Difícil tranquilizar os aliados e restaurar a atração pela democracia e pelos direitos humanos quando vemos homens a cavalo perseguindo imigrantes negros (os linchamentos nos estados do sul não estão tão distantes).

Todos se lembram, também, do atentado de 6 de janeiro contra o Capitólio, sede do poder legislativo, no momento em que os eleitos tinham que atestar os resultados das eleições presidenciais e permitir o que sempre foi um forte marcador do sistema americano: a transferência pacífica de poder . Além disso, os tiroteios e assassinatos continuam regulares , assim como os erros cometidos pela polícia .

Somado a isso está o grande problema do bloqueio institucional. O presidente pode muito bem prometer planos ambiciosos de infraestrutura clássica (estradas, pontes, banda larga) e infraestrutura humana (assistência infantil, educação gratuita em certos níveis), anunciar um imposto mínimo de 15%, compromissos financeiros e medidas regulatórias de combate ao aquecimento global, nada acontecerá enquanto os republicanos se recusarem a votar em qualquer projeto de lei.

Com exceção de um plano mínimo de renovação da infraestrutura física que chega a 500 bilhões em novos gastos e ainda não foi adotado, o presidente e seus aliados democratas não avançaram na imigração ou na reforma policial e muito menos na protecção do direito de voto.

No entanto, as modalidades de votação são da competência dos estados federados, 23 dos quais estão nas mãos dos republicanos (isto é, têm maioria nas duas Câmaras e ocupam o cargo de governador).

As reformas adotadas na Geórgia e no Texas, por exemplo, visam manter os afro-americanos e outras minorias longe das urnas que permitiram aos democratas vencer em 2020. A Suprema Corte não faz nada porque declarou inconstitucionais os mecanismos do Direito de Voto Lei de 1965 (VRA) que permitiu que essas práticas discriminatórias fossem banidas: a Seção 5 da Lei de Direitos de Voto do VRA exigia que certos estados com histórico de discriminação obtivessem luz verde do Ministério da Justiça antes de fazer alterações em sua lei eleitoral (ver Decisão de Shelby em 2013 ).

Tudo está bloqueado porque, no Senado, a regra não é mais a maioria de 50 votos, mas a supermaioria de 60 votos, necessária para acabar com a obstrução legislativa. E pelo menos dois senadores democratas moderados se recusam a encerrar a obstrução.

Até que a regra de obstrução legislativa seja alterada, nada acontecerá. Os bons anúncios permanecerão palavras e, além disso, os democratas podem perder a maior parte das eleições nos próximos anos. Quanto aos aliados, alguns estão certamente encantados com o envolvimento dos americanos na zona Indo-Pacífico mas, sem necessariamente estarem atrás da França, compreenderam que também eles são apenas variáveis ??de ajustamento e que talvez sejam eles que pagarão o preço da estratégia americana da próxima vez.

Para usar o slogan do presidente Biden, claro que a América está de volta … mas é a América de sempre, aquela que coloca seus próprios interesses estratégicos acima de todas as demais, sem se preocupar muito com outros países e aliados … que está de volta. Ela está tão longe de Trump’s America First no final das contas? O futuro dirá.

Anne E. Deysine é professora jurista emérita e americanista, especialista em questões políticas, sociais e jurídicas nos Estados Unidos (Suprema Corte), Université Paris Nanterre – Université Paris Lumières

Traduzido por Cezar Xavier do The Conversation