Nos dias 18 e 19 de março, na Cidade do México, foi realizada primeira etapa do curso de formação da Rede de Escolas e Fundações Partidárias da América Latina e Caribe que teve como tema central “Os Desafios da Integração Latino-Americana”.  A Rede é parte integrante do Foro de São Paulo e tem como objetivo a realização de cursos e demais atividades formadoras voltadas para quadros dos diversos partidos da esquerda latino-americana que integram o Foro.  Participaram cerca de cinquenta alunos (as) de quase todos os países da região. Essa primeira etapa foi antecedida pela reunião do Grupo de Trabalho do Foro de São Paulo realizada no dia 17, na qual importantes deliberações foram tomadas para enfrentar os próximos desafios da luta emancipadora no continente, com ênfase no acompanhamento da eleição venezuelana em abril e para as negociações de paz na Colômbia, envolvendo o governo e as FARC.

O temário do curso foi composto por quatro temas centrais: “A Integração na batalha das ideias na nossa América”, “Como as elites latino americanas e os EUA tratam a questão da integração”, “As interfaces entre globalização e integração” e “Os desafios da integração”. As exposições foram desenvolvidas por dirigentes dos diversos partidos e movimentos progressistas participantes do Foro. O Partido Comunista do Brasil foi representado pelo camarada Ricardo Alemão Abreu, Secretário de Relações Internacionais que desenvolveu que apresentou o ponto de vista do PCdoB sobre a questão da integração e pelo camarada Altair Freitas, Secretário Executivo da Escola Nacional na condição de aluno. Pelo Partido dos Trabalhadores, além do companheiro Walter Pomar, presidente do Foro, esteve a companheira Selma Rocha, coordenadora da Escola de Formação do PT e da Fundação Perseu Abramo.

De modo geral, a tônica do curso centrou-se no debate sobre que tipo de integração interessa aos povos da América Latina e Caribe. O consenso fundamental entre os expositores e alunos (as) é de que aos povos do continente não interessa uma integração que seja meramente econômica e subordinada aos interesses do imperialismo estadunidense e das tradicionais elites de cada país.

As exposições e opiniões convergiram para a necessidade de uma integração que garanta a soberania de cada nação e que para além de econômica ela seja também cultural e social. Uma integração que tenha como eixo fundamental a superação dos principais e históricos problemas dos povos do continente, notadamente buscando a superação da pobreza como base em um desenvolvimento econômico sustentável e equilibrado.


Outro elemento de destaque do curso foi a ênfase dada por vários dos expositores para a necessidade do resgate e utilização do marxismo como instrumento fundamental de análise das contradições do capitalismo do nosso tempo, e das questões da América Latina e Caribe em particular. Segundo a maioria dos professores, o marxismo nos fornece as ferramentas fundamentais para compreendermos adequadamente a formação da América Latina, suas contradições e deformações econômicas, políticas e sociais  e a necessidade de os povos lutarem pela superação do capitalismo e do imperialismo estadunidense e pela construção do Socialismo.

Ficou definido também que a segunda etapa deste curso será realizada no mês de julho, em São Paulo, e terá novamente o tema da “Integração” como elemento central, buscando abordar outros aspectos não explorados na primeira etapa.